segunda-feira, 21 de outubro de 2013

DISCURSO DE ACEITAÇÃO DO PRÉMIO LITERÁRIO AÇORIANIDADE 2013



É uma honra receber este PRÉMIO LITERÁRIO AICL AÇORIANIDADE 2013 com o meu CHAPÉU DE CHUVA TRANSPARENTE, CRÓNICA DE UM AMOR SEM LIMITES. Segundo pesquisei, o conceito de "Açorianidade literária" foi definido por Vitorino Nemésio, na revista Insula, em 1932 e, desde então, foi amplamente divulgado em contextos bem diferenciados, desde estudos de âmbito literário a intervenções de ordem política. Este meu conto/narrativa nasce precisamente da arte de captar as características intangíveis e indefiníveis da Açorianidade e do sentimento de insularidade, expressos através de uma mundividência peculiar, visíveis através do sentimento de angústia metafísica ou de um «je ne sais quoi» existencialista, ou do tal sentimento do emparedado, ante a solidão e a distância.
A partir da minha ilha interior transporto-me para qualquer ilha física ou imaginária. Enquanto autora, viajei pelas ilhas açorianas; Madeira; Reino Unido, Japão e por ilhas da China. A insularidade cresceu em mim, literariamente, mas sobretudo na alma, e sobrepôs-se às minhas vivências. Nesta narrativa, o sentimento insular mescla-se com fragmentos biográficos da infância, recria-se numa ficção biografada e cresce com as personagens. As personagens, no entanto, quase que se descartam em prol das emoções, assumindo estas o controlo da narrativa e tornando-se, elas próprias – as emoções - personagens principais de uma história sem fim.

Esta crónica é uma viagem aos lugares da infância, reais e imaginários, sentidos e inventados; uma viagem num só fôlego e sem regresso. Em CHAPÉU DE CHUVA TRANSPARENTE não há regresso do crescimento nem da morte quando morre a mãe e a alma gémea do narrador. A morte na ficção, por vezes, pode ser mais cruel do que na própria vida, e por isso, estas mortes roubam toda e qualquer esperança ao narrador-personagem. E não há mais esperança senão a de continuar a respirar, rodeando-se de amor. CRÓNICA DE UM AMOR SEM LIMITES é, pois, o subtítulo, ancorando-se num chapéu de chuva transparente que atravessa toda a história e simboliza uma protecção insuficiente mas dinâmica; afinal, o retrato da vida humana.

Aqui, a expressão do sentimento de insularidade afirma-se numa tríade de emoções que toma forma numa tríade de ilhas: a ilha vulcânica onde a criança é exilada; a ilha interior que emerge do sentimento de abandono da criança face à ausência da mãe; e por fim, a ilha-promessa ou ilha-utopia, que é o lugar onírico onde a criança se reunirá com o seu alter-ego e que simboliza a visão salvífica do inferno na terra. Porém, a ilha-utopia não chegará a encontrar o seu topos, o seu lugar real. A vida e esta história encarregam-se de apagar esse sonho quimérico. Resta o sentimento latente de insularidade, moldando personagens dentro de personagens, votando-as ao abandono, à solidão, mas lançando-as numa esperança que nasce aqui de um passado já vivido.

« A casa da ilha era o desterro onde vivia a outra avó a avó da ilha. Antes da avó do norte ou das camélias eu tinha sido despachada para a ilha uma espécie de prisão provisória mas onde havia umas tias boas de mais para serem verdade. Na verdade a Teté e a Dé eram demasiado boas apenas para aliviarem em mim o sentimento de exílio e o sofrimento a ele adjacente. Na realidade não se tratava de um exílio era mais como se fosse uma morte em vida o que equivale a perder a mãe quando ainda se é demasiado criança para se compreender seja o que for. Mãe é respirar é viver é ser. Eu a era a morte em vida da minha mãe.» in Chapéu de Chuva Transparente (...)
Quando visitei os Açores há uns anos, senti-os de imediato como um local mágico que tinha de escrever. Escrever os Açores é recuperar a alma, respirar e logo a seguir perder o fôlego. É preciso escrever os Açores como todas as ilhas dentro de nós. Por isso, a partir da minha ilha interior transporto-me para qualquer ilha física ou imaginária. O escritor precisa de transformar o que vê e o que sente em palavras, para finalmente poder respirar e encontrar paz. Antes de escrever esta narrativa, eu não sabia que o que sentia era… AÇORIANIDADE.

«A casa da ilha fica fechada entre as montanhas que a encerram como se fossem quatro paredes e mais algumas por detrás das primeiras. Sinto um vulcão respirar entre aquela massa montanhosa escura como se toda a solidão do mundo coubesse ali dentro das nossas vidas. Olha-se à volta e não se vê mundo, não há horizonte apenas prisão e uma grande falta de ar. A Dorinhas está outra vez com ansiedade custa-lhe a respirar diz a Teté anda vamos rezar ao Menino Jesus. E ali habita uma sucessão de gerações de mulheres sobreviventes de uma ilha sem salvação. A única coisa possível é o amor entre elas mas os dias sucedem-se com uma banalidade demolidora e o amanhã não é redentor para ninguém. Á volta da casa o quintal à volta do quintal os campos de vinha à volta das vinhas as montanhas e à volta das montanhas das montanhas o mar. O mar isola-nos inexplicavelmente de uma maneira que só é possível sentindo o choro da alma. A Dorinhas está outra vez com ansiedade custa-lhe a respirar diz a Teté e então a avó da ilha sorri e coloca-me a mão no peito e murmura palavras estranhas com odor a rapé. As palavras murmuradas entredentes pela avó da ilha parecem uma lengalenga mágica e a partir desse dia a escuridão da montanha já não era tão escura embora nunca deixasse de ser montanha. A avó da ilha também era uma ilha dentro duma ilha.» in Chapéu de Chuva Transparente (...)
Nesta narrativa quase tão mágica quanto as palavras sibilinas murmuradas por uma avó mistério, as palavras são como um berço que embala a criança que chora. No meio do silêncio, só as palavras podem calar o uivo do choro jamais libertado, só as palavras livres e independentes podem conferir alguma liberdade a tal condição de isolamento e desolação. Por isso, as palavras são criadas ao sabor do medo e da esperança; surgindo de ímpetos arrancados como que do fundo do peito. Por essa razão, surgem nesta narrativa neologismos livres e uma sintaxe redentora, assim como uma grafia rebelde e experimentalista. Perante a cadência das emoções, que marcham ao longo de uma narrativa que se pretende livre, é premente remover todos os obstáculos do caminho, tais como vírgulas, pontos, parágrafos, travessões de diálogo e pontos de interrogação. O discurso emana duma interrogação permanente e as palavras são aqui a salvação da alma.

Para mim, enquanto autora, a grafia rebelde e experimentalista passou aqui pela experimentação da utilização do AO/90 (acordo ortográfico de 1990) como paradoxal e irónica forma de protesto. Aqui, o uso do AO/90 serviu como forma de exorcizar barreiras entrando num mundo novo, mas sem alicerces e descartável. Afinal, todas as palavras são descartáveis depois de derramadas as lágrimas, depois de atiradas as palavras contra as paredes do vulcão que sufocam a criança na ilha.

O discurso fluido e sem pontuação, assim como as palavras destituídas de consoantes mudas e de hífenes, assumem uma fluidez para além das normas do latim e do espartilho da etimologia; a semântica sobrepõe-se às regras gráficas, ortográficas e de pontuação, dominando em força e reforçando o seu domínio através de neologismos criados directamente através da força emotiva que as expele.
Esta é pois uma narrativa que transcende todas as normas, à semelhança do estado de desvantagem – ou será de vantagem? – em que o sentimento de insularidade coloca o sujeito. E é porque esta narrativa transcende todas as normas, que a utilização do AO/90 e a escrita livre saramaguiana tomam valor de recurso estilístico, expressando uma escrita livre ou libertária, pois destituída de pontuação, de indicação de diálogos e das próprias raízes da etimologia clássica.

O assumido caos ortográfico demonstra a inquietude das emoções/personagens principais; um caos que retira palavras do seu contexto etimológico e cultural, rompendo ligações com as raízes gregas e latinas da língua, impondo a desfragmentação da língua portuguesa, na sua variante europeia. Perfila-se aqui um símbolo do desabar da matriz linguística, qual referência a uma mãe perdida. A morte da mãe, fatal nesta narrativa, radica em todos os aspectos do desabamento da infância, da vida, da família, da Língua, da ortografia.

Comecei a escrever CHAPÉU DE CHUVA TRANSPARENTE e não sabia que o texto viria ter comigo sem pontuação nem que me faria experimentalista do AO/90 – eu que me afirmo contra o absurdo decepar de consoantes com sua indispensável função diacrítica. Quando esta narrativa se me impôs para que eu a escrevesse, não sabia que viria sem vírgulas, sem pontos, sem diálogos e sem consoantes mudas. É um lugar-comum dizê-lo, mas fui escolhida como intermediária desse processo literário que ultrapassa sempre o seu autor – e que normalmente tem sempre algo de importante a dizer ao autor. Fui empurrada pela catarse da criatividade literária, mergulhando num limbo de memórias, ficções e emoções onde não existe espaço para a pausa nem para a vírgula. Assim, os diálogos surgem dentro dos pensamentos e os pensamentos surgem entrelaçados com as falas de episódios de uma história que se enreda em tantas. Esta libertação de todas as amarras, linguísticas, sintácticas e ortográficas é a própria força do processo criativo, porquanto rebenta com essas mesmas amarras, experimenta ser um ser diferente, ignora os dogmas e pretende apenas… respirar por entre linhas.

«Se outros tantos autores sagrados ou apenas consagrados podem porque é que eu não hei de poder? Se inventam palavras as torcem e distorcem refazem a sintaxe recriam a vida e as emoções nas frases que dedilham porque hei de eu ser alertada olhe que isto não se escreve assim vou dizer ao revisor para cortar você não pode escrever piqueno nem inventar desgramado essa palavra não existe e onde está a pontuação a senhora julga-se alguma sara maga? Ora não só posso como escorraço qualquer revisor que se aproxime do meu texto. O texto é meu das minhas entranhas do meu sopro do meu pulsar. Não é nenhum corpo para um revisor autopsiar. Ou não me chame eu Ricardo e tenha um projeto a dois para inventar um país. E antes que me venham impor um acordo ortográfico aqui está ele ainda mais papista do que o papa para que provem do vosso veneno. Esta é uma viagem às emoções humanas e cada paragem são episódios de uma vida que são tantas. Quem não quiser embarcar é desde já convidado a sair.» in Chapéu de Chuva Transparente (...)
É pois uma honra receber este prémio literário, em nome da literatura e da lusofonia, porque valorizo uma lusofonia cuja maior riqueza são as múltiplas diferenças e a unidade na diversidade. A riqueza da Língua portuguesa enquanto versão europeia releva do carácter histórico e etimológico que nos liga às línguas clássicas, unindo as famílias de palavras e fazendo sentido na sua fundamentação ontológica. Por outro lado, a riqueza do Português enquanto versão brasileira releva do seu carácter inovador, demiurgo de palavras e expressões culturais únicas e por isso mesmo, regionais e específicas. Não queiramos ler um Saramago escrito em Português do Brasil nem um Jorge Amado aportuguesado. Não quero ler Pepetela com sotaque de Cascais nem Mia Couto com ortografia proveniente de uma utópica pronúncia culta. A riqueza da Lusofonia é a sua idiossincrasia, não uma Língua de lei que foi resolvida em conselho de ministros e nasceu numa fábrica ortográfica. A Língua é um organismo vivo, sujeito à evolução por via erudita e popular; não faz sentido descaracterizá-la numa unidade das escritas lusófonas, destituindo-a de tudo o que tem de único e diferente. É único e não-formatável o maravilhoso Português de Angola, o de Moçambique, de Cabo Verde, de São Tomé e Príncipe, de Goa, de Timor, de Macau e do Brasil – assim como o são as 18 variantes do Inglês, nenhuma delas silenciada com a unificação ortográfica. A matriz da língua é a garantia de que essa diversidade poderá remeter-se à unidade sem que incorra no abismo da descaracterização da Língua. Há que preservar a matriz.
É, por fim, uma honra receber este PRÉMIO LITERÁRIO AICL AÇORIANIDADE das mãos da AICL, ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DOS COLÓQUIOS DA LUSOFONIA”, cujos princípios e objectivos são «um movimento cultural e cívico que visa mobilizar e representar a sociedade civil de todo o mundo, para pensar e debater amplamente, de forma científica, a nossa fala comum: a Língua Portuguesa.» E afirma no ponto 6. «Em defesa da Lusofonia, defendemos a nossa identidade como pessoas e povos, e em prol da variada língua comum com todas as suas variantes e idiossincrasias, impedindo que outras culturas e outros povos nos dominem cultural, económica ou politicamente, como alguns, ostensiva e claramente, defendem.»
                                                                            
Bem-haja aos defensores da Língua portuguesa, da Lusofonia e de todas as suas variantes e idiossincrasias, na preservação da matriz da Língua portuguesa, viva e múltipla. Viva a literatura. Viva a Língua portuguesa. Obrigada.


Maria Saraiva de Menezes
Lisboa, 18 de Outubro de 2013

NOTA: A autora escreve de acordo com a antiga ortografia. Contudo, neste livro, a autora escreve segundo o novo acordo ortográfico de 1990, paradoxalmente, como forma de protesto. A sintaxe livre, ausência de pontuação e de indicação de diálogos são também, aqui, opção da autora.


SINOPSE: Maria das Dores, fidalga decaída em solidão e abandono, é uma psicoterapeuta que se auto-analisa através dos seus pacientes. Diariamente no fio da navalha, apenas se salva através da tábua da memória. Porém, tudo o que é passado é morte e por isso, todos os anos "é Natal e isso dói mais do que uma dor física". Maria das Dores tem vários nomes ou nenhum, e também foi um rapaz chamado Ricardo, mas às vezes ainda passa por isso. A personagem nunca teve mãe e talvez por isso lhe custasse respirar. A ilha é o abandono dentro de si, como uma bóia meio-vazia, à deriva. Maria das Dores recuperou a sua identidade só até ter perdido para a morte a única pessoa capaz de a salvar. E como à infância sucede a fase adulta, tenta não esquecer a chucha nem o ratinho perdido. 

À venda em: http://www.calendario.pt/index.php?id=220&tbl=registos

sábado, 31 de agosto de 2013

eBook «TOMÁS, MARIANA E O LOBO», Conto infantil sobre a Pedofilia


Apresento o meu 1º eBook:

Conto infantil sobre a pedofilia e os abusos sexuais de menores. A literatura serve de veículo para ensinar a prevenir e informar as crianças para que estas estejam conscientes dos perigos que correm e possam defender-se. Este é um livro acessível a pais e filhos sem medo da verdade e com vontade de construir um mundo melhor. Tomás e Mariana são dois irmãos com muitas questões a colocar aos pais e esperam, assim, aprender a defender-se para nunca virem a ser vítimas de uma situação de abuso sexual, tal como aconteceu no pesadelo de Tomás... Faixa etária: dos 6 aos 12 anos.

Comercializado a nível mundial nas maiores empresas distribuidoras de eBooksLeya Online, Amazon, Fnac.pt, Wook, IBA, Google, Kobo, Barnes & Noble Booksellers, Apple Store, My Books, Livraria Almedina, Submarino Digital Club, Gato Sabido, Livraria Culta, Mundo Positivo, Numinolog, Bookwire.

eBook «KAFKA E A FIGURA DO PAI NO CONTEXTO DO HUMANISMO ATEU»



O meu 2º eBook é dedicado a um querido amigo: 

«Para o Jorge Laranja,

amigo que me emprestou os Diários de Kafka,
antes de partir nas ondas do mar do Guincho.
(1972-1997)»


http://www.leyaonline.com/pt/pesquisa/pesquisa.php?chave=kafka+e+a+figura+do+pai


«KAFKA E A FIGURA DO PAI no contexto do Humanismo Ateu»

Ensaio filosófico sobre Franz Kafka e a figura do Pai no contexto do Humanismo Ateu, incluindo breve reflexão no âmbito da psicanálise, da teologia e da sociologia.

Comercializado a nível mundial nas maiores empresas distribuidoras de eBooks: Leya Online, Amazon, Fnac.pt, Wook, IBA, Google, Kobo, Barnes & Noble Booksellers, Apple Store, My Books, Livraria Almedina, Submarino Digital Club, Gato Sabido, Livraria Culta, Mundo Positivo, Numinolog, Bookwire.

Veja o Trailer: http://www.youtube.com/watch?v=JtYwBBy8RsE&feature=youtu.be

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

O DIA EM QUE O MUNDO DESAPARECEU - Lançamentos, visitas a escolas, sessões de autógrafos e animação de festas de aniversário


Visitas a escolas - Hora do conto com fantoches,  sessões de autógrafos e animação de festas de aniversário com o livro infantil O DIA EM QUE O MUNDO DESAPARECEU

AUTORES: Vasco Saraiva de Menezes Serôdio e Maria Saraiva de Menezes
Ilustração: Carlota Saraiva de Menezes

 Março 2013

 PVP: 12 euros (10 euros - Preço especial escolas)


SINOPSE:
Certo dia, Tim foi à janela e descobriu que o mundo tinha desaparecido. Parecia impossível, mas era verdade. De repente, tinham desaparecido a escola, a rua com as casas às cores, a ponte comprida sobre o Tejo e todas as casas para além da grande estrada. Tudo isto parecia ser obra de um alienígena malvado que queria acabar com a raça humana…
Felizmente, os pais de Tim estavam por perto e ajudaram-no a salvar o planeta Terra. Mas outra grande aventura sem fim ainda estava para acontecer…


Encomendas do livro com dedicatória dos autores; 12 euros com oferta de portes de envio para Portugal. Pedido: mariademenezes@gmail.com 

Reportagens TV: Festival Literário da Madeira: http://www.rtp.pt/play/p200/e112807/casa-das-artes
e Feira do Livro de Lisboahttp://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/lazer/cultura/feira-do-livro-maria-saraiva-de-menezes-e-vasco-serodio-respondem

ACERCA DOS AUTORES:
Vasco Serôdio, provavelmente o mais jovem autor português, nasceu em Lisboa, em 2002, onde vive. Escreveu o seu primeiro livro aos 8 anos e publicou-o aos 10, deslocando-se a escolas e bibliotecas por todo o país, com a mãe escritora, para fazer a APRESENTAÇÃO e LEITURA ANIMADA COM FANTOCHES do seu livro infanto-juvenil O DIA EM QUE O MUNDO DESAPARECEU. O livro foi alvo de leitura encenada no Teatro Nacional Dª Maria II, a 21/4/2013 e foi lançado nas Feiras do Livro de Lisboa, Porto, Viana do Castelo, Seixal, Cascais e Festival Literário da Madeira 2013 e 2014, FantasPorto 2014, depois de uma digressão por escolas de Lisboa, Madeira, Porto Santo, Minho, Beira Alta, Beira Litoral, Alto Douro e Ribatejo.


Foi finalista do III Concurso Literário Infanto-juvenil La Atrevida e teve direito à publicação da sua história no livro antológico, ‘Joaquinzinho e Sardinhete’, apresentado em cerimónia na Reitoria da Universidade de Lisboa, a 21 de Junho 2015.


Maria Saraiva de Menezes (1971, Porto) é professora e escritora. Licenciada em Filosofia, pela Universidade Católica Portuguesa, em 1998. Descendente de famílias do Minho e da Madeira, viveu no Minho durante a infância e adolescência e, entre 1987 e 1990, viveu em Macau, onde frequentou o primeiro ano do curso de Direito, na Universidade da Ásia Oriental. Vive em Lisboa. É casada e tem 3 filhos. É autora de livros para crianças, pedagogia, poesia, ficção e Etiqueta. Realiza a HORA DO CONTO COM A AUTORA em escolas e bibliotecas, com as suas histórias infanto-juvenis. Três dos seus contos infantis foram encenados e representados em Portugal (TNDM II e Teatro Bocage). Venceu o 1º Prémio Literário AICL Açorianidade 2013, com o livro «CHAPÉU DE CHUVA TRANSPARENTE, Crónica de um Amor sem Limites». Criou a comunidade literária "História numa garrafa", com página no facebook, onde publica diariamente uma história, desde 3/3/2015.

1 - TEATRO NACIONAL Dª MARIA II, Lisboa.
 Praça D. Pedro IV
 Domingo, 21 Abril, 11h30.
SALÃO NOBRE | ENTRADA LIVRE
leitura encenada de O DIA EM QUE O MUNDO DESAPARECEU 
de Vasco Serôdio e Maria Saraiva Menezes
INÊS E A ÁRVORE AURORA de Maria Saraiva Menezes
com Paula Mora
2 - Livraria cenTÉSIMA PÁGINA, Braga.
     Av. Central, 118-120.
       Terça-feira, 12 Março 2013, 15h.
3 - EB 1 JL de Tenões, BRAGA.
      Terça-feira, 12 Março 2013, 10h30.
4 - LIVRARIA VERSUS, ARCOS DE VALDEVEZ.
        Sexta-feira, 15 Março 2013, 17h30.
5 - GRANDE HOTEL DA FELGUEIRA, canas de senhorim.
       Quarta-feira, 27 Março 2013, 17h30. 
6 - 3º Festival literário da madeira, funchal.
     «FESTIVALINHO», Biblioteca de Câmara de Lobos.
      Terça-feira, 2 Abril 2013, 14h30.
7 - escola básica de machico, madeira.
       Sexta-feira, 5 Abril 2013, 10h30, 2 turmas: 3º e 4º anos.
8FNAC, MADEIRA SHOPPING, MADEIRA.
      Sexta-feira, 6 Abril 2013, 16h00. 
9 - FEIRA DO LIVRO DO SEIXAL, Jardim do Fogueteiro, Amora, 23/4/2013, 11h30.
10 - FEIRA DO LIVRO DE LISBOA.
        24 Maio 2013, Sexta-feira, 17h-19h00 (Sessão de autógrafos no Pavilhão Calendário de Letras).
        31 Maio 2013, Sexta-feira, 17h-19h00 (Sessão de autógrafos no Pavilhão Calendário de Letras).
        8 Junho 2013, Sábado, 18h-18h50 (Lançamento e sessão de autógrafos no Espaço Infantil).
        10 Junho 2013, Segunda-feira, 17h-21h00 (Sessão de autógrafos no Pavilhão Calendário de Letras).
11 - Biblioteca Municipal do Palácio Galveias, Lisboa.
        5 Julho 2013, 14h30. (82º aniversário).
12 - LIVRARIA GATAFUNHO, LISBOA.
     R. do Trombeta, Bairro Alto, Lisboa, Domingo, 7/7/2013, 11h00.
13 - FEIRA DO LIVRO DE VIANA DO CASTELO.
        21 Julho 2013, 21h30. (Tenda da Pequenada).
14 - Letras na Avenida, PORTO.
         26 Julho 2013, 19h00. (Stand Inditex/Papa Livros).
15 - XXVII Feira do Livro de Cascais, Lisboa.
         4 Agosto 2013, 18h00. (Jardim Visconde da Luz).
16 - Biblioteca Municipal de Porto Santo, Madeira.
        23 Agosto 2013, 10h30.
17 - Leya na Barata, Av. Roma, Lisboa.
        8 Dezembro 2013, 11h00. (Leitura animada com fantoches).
18 - Biblioteca Municipal da Figueira da Foz, Beira Litoral.
        2 sessões: 13 e 14 Dezembro 2013, 14h00. (Leitura animada com fantoches).
19 - Casa Raphael Baldaya, Lisboa.
        15 Dezembro 2013, 15h00. (Leitura animada com fantoches).
20 - Centro Cultural de Carnide, Lisboa.
        19 Janeiro 2014, 10h30. (Leitura animada com fantoches).
21 - FANTASPORTO, 34º Festival Internacional de Cinema do Porto, Teatro Rivoli. 4 Março 2014, 18h00. 
22 - Livraria Esperança, Funchal, Madeira.
        17 Março 2014, 11h00. (1 sessão, 3 turmas 4º ano). (Leitura animada com fantoches).
23 - Escola Básica e Secundária D. Lucinda Andrade, S. Vicente, Madeira.
        18 Março 2014, 10h00. (1 sessão, 3 turmas 5º ano).
24 - Escola Básica e Secundária de Machico, Madeira.
        20 Março 2014, 10h00. (1 sessão, 3 turmas 6º ano).
25 - Junta de Freguesia de Machico, Madeira.
        20 Março 2014, 18h00. 
26 - Biblioteca Municipal de Viana do Castelo, «Contornos da Palavra, Os        afectos na Literatura».
        29 e 30 Abril 2014, 9h-15h30. (5 sessões, 4º anos - Leitura animada com fantoches).
27 - Cabine de Leitura, Praça de Londres, Lisboa.
        10 Maio 2014, 11h30. (Leitura animada com fantoches).
28 - ACREDITAR, Associação de Pais e Amigos de Crianças com Cancro, Lisboa.
        17 Maio 2014, 17h30. (Leitura animada com fantoches).
29  - FEIRA DO LIVRO DE LISBOA.
         31 Maio 2014, 17h-19h00 (Sessão de autógrafos no Pavilhão Pequenos Editores).
         8 Junho 2014, 17h-19h00 (Sessão de autógrafos no Pavilhão Pequenos Editores).
30 - Casa Raphael Baldaya, Lisboa.
        18 Outubro 2014, 16h15. (Leitura animada com fantoches).
31 - Colégio de S. Mamede, Batalha.
        10 Abril 2015, 11h15. (1 sessão, 4 turmas do 1º ao 4º ano).
32 - Biblioteca Municipal de S. João da Pesqueira, Alto Douro.
        17 Abril 2015, 11h15. (1 sessão, 4 turmas do 1º ao 4º ano).
33 - Animação de festa de anos particular (Miguel), Lisboa.
        16 Maio 2015, 11h00. (Leitura animada com fantoches).
34 - Casa da Marioneta, Sintra.
        30 Maio 2015, 16h00. (Leitura animada com fantoches).
35 - 85ª Feira do Livro de Lisboa, "ACAMPAR COM HISTÓRIAS"
        5 Junho 2015, 19h00. (Leitura animada com fantoches).
36 - Biblioteca Municipal de Benavente, Ribatejo.
        13 Junho 2015, 16h00. (Leitura animada com fantoches).
37 - Déjà Lu, Livraria Solidária, Cidadela de Cascais.
        27 Junho 2015, 12h30. (Leitura animada com fantoches).
38 - Escola EB1 Malveira da Serra, Cidadela de Cascais.
        15 Março 2016, 12h30. (Leitura animada com fantoches).
39 - Escola EB1 Paço d'Arcos, Oeiras.
        22 Abril 2016, 10h30. (Leitura animada com fantoches).
40 - Animação de festa de anos particular (Mateus), Lisboa.
        22 Outubro 2016, 17h00. (Leitura animada com fantoches).
41 - Escola EB 2,3 Dr. Grácio, Montelavar, Sintra.
        15 Dezembro 2016, 14h30. (1 sessão, 2 turmas 6º ano). (Leitura animada com fantoches).


42 - Escola, Lisboa.
        6 Março 2017, 10h30. (1 sessão, 2 turmas 3º ano). (Leitura animada com fantoches).

48 Apresentações / 42 locais


Para receber informações actualizadas, fazer GOSTO na página:

ou exclusivamente sobre este livro:




A APRESENTAÇÃO COM A AUTORA em ESCOLAS E BIBLIOTECAS com o livro O DIA EM QUE O MUNDO DESAPARECEU é realizada segundo marcação prévia, através do   e-mail mariademenezes@gmail.com

A APRESENTAÇÃO DO LIVRO COM A AUTORA é oferta às escolas, bibliotecas ou colégios e realiza-se quando são adquiridos um mínimo de 10 livros por sessão (máximo de 4 turmas por sessão)(em Lisboa), ocorrendo UMA LEITURA ANIMADA COM FANTOCHES e no final da actividade uma sessão de autógrafos. (Na zona da Grande Lisboa, o número mínimo de originais adquiridos é 15. Para o resto do país, o número mínimo é 20, embora nem sempre seja possível a sua realização).

ANIMAÇÃO DE FESTAS DE ANIVERSÁRIO COM OS AUTORES: LEITURA ANIMADA COM FANTOCHES
O pagamento da actividade traduz-se na aquisição de 10 livros (12 euros cada livro) Oferta de 1 exemplar ao aniversariante. Sessão de autógrafos.
(Animação com deslocação: 120 euros (Lisboa: aquisição de 10 livros) / 180 euros (Grande Lisboa: aquisição de 15 livros).